Dois pesquisadores da Secretaria de Agricultura estão na lista das 100 personalidades mais influentes do agronegócio

DinheiroR

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo tem dois pesquisadores de seu corpo técnico na lista das 100 personalidades mais influentes do agronegócio, produzida pela revista Dinheiro Rural, em sua edição especial de novembro. O pesquisador e líder do Programa Cana do Instituto Agronômico (IAC), Marcos Guimarães de Andrade Landell, e o pesquisador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA) e responsável pelo desenvolvimento do sistema do Boi 7.7.7, Flávio Dutra de Resende, foram reconhecidos pela revista por seus trabalhos em prol da canavicultura e da pecuária.

A edição especial da Dinheiro Rural comemora os 14 anos de criação da revista e lista as lideranças conhecidas nacionalmente ou em alguma região produtiva. As 100 personalidades escolhidas estão à frente de empresas, entidades, centro de inovação e órgãos públicos e com seus trabalhos contribuem para o sucesso do agronegócio brasileiro, que gera uma riqueza superior a R$ 1,3 trilhão por ano.

Marcos Guimarães de Andrade Landell é formado em engenharia agronômica pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), mesma instituição que fez mestrado e doutorado. É pesquisador científico do Instituto Agronômico e lidera um dos principais programas de melhoramento genético da cana-de-açúcar no Brasil, o Programa Cana IAC. Este ano, o IAC lançou cinco variedades de cana-de-açúcar, sendo três delas adaptadas às condições edafoclimáticas do Cerrado brasileiro. Ao longo de seus 20 anos de atuação, o Programa Cana IAC lançou 27 variedades. Atualmente, 160 usinas são parceiras do programa de pesquisa que conta com 75 locais de experimentação. Além das variedades, o pesquisador trabalha no desenvolvimento de novas tecnologias, como o Sistema de Mudas Pré-Brotadas (MPB), que revolucionou o modo de se plantar cana no Brasil, e o conceito de matriz de cana, que traz ganhos de até 30% na produtividade agrícola.

Ao longo de sua carreira, Landell publicou 103 artigos em periódicos especializados e 84 trabalhos em anais de eventos. Possui 21 capítulos de livros publicados e coordenou a publicação de dois livros. É responsável por 29 produtos tecnológicos, dos quais 20 são cultivares protegidas, um software e um processo ou técnica e outros 26 itens de produção técnica. Recebeu 16 prêmios e/ou homenagens. Atualmente, coordena cinco projetos de pesquisa na área de agronomia, com ênfase em melhoramento vegetal. Em suas atividades profissionais interagiu com 129 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos.

Flávio Dutra de Resende é graduado em zootecnia pela Universidade Federal de Viçosa, instituição que também fez mestrado e doutorado. É pesquisador do Polo Regional de Colina, da APTA Regional, e professor credenciado da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinária da Unesp. É o responsável pelo desenvolvimento do conceito do Boi 7.7.7, em que o animal alcança sete arrobas na desmama, sete na recria e outras sete na engorda, totalizando 21 arrobas no momento do abate. Este resultado é obtido em dois anos, no máximo. No sistema tradicional de produção são necessários, no mínimo, três anos para o animal atingir 18 arrobas. Além da produção precoce, a tecnologia pode aumentar em até 30% os lucros dos pecuaristas. O sistema vem sendo adotado por produtores dos estados de São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Goiás, Minas Gerais, Paraná e Rondônia, principais regiões brasileiras produtoras de gado de corte.

Resende já publicou 80 artigos científicos em periódicos especializados e 177 trabalhos em anais de congresso. Elaborou 19 capítulos de livros e recebeu três prêmios e/ou homenagens. Atualmente, coordena seis projetos de pesquisa e atua como revisor científico da Revista Brasileira de Zootecnia, do Boletim de Indústria Animal e da Revista Ciência e Cultura.  

“É motivo de orgulho para a Secretaria de Agricultura ter esses dois pesquisadores na lista dos mais influentes do agronegócio brasileiro, pois mostra a relevância dos trabalhos científicos junto ao setor de produção. O desenvolvimento de pesquisa que melhoram a produção agropecuária e a proximidade da pesquisa com o setor produtivo são recomendações do governador Geraldo Alckmin”, afirma Arnaldo Jardim, secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Por Fernanda Domiciano

Assessoria de Imprensa – APTA

19 2137-8933

Notícias por Ano